Adriana Varejão

Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1964

Duas obras de Adriana Varejão foram remontadas para Composições para tempos insurgentes: Ruína Brasilis e Partida. A primeira compõe a série Charques, que reúne obras em sua maioria tridimensionais, relacionando arquitetura e corpo, em mediação pela poética da ruína. Charques são carnes salgadas e desidratadas, popularmente conhecidas como carne-seca. Em Ruína Brasilis, a coluna ferida revela seu interior de carne-seca feita em madeira, acompanhada dos azulejos portugueses em amarelo, azul, branco e verde, cores da bandeira brasileira. 

Já a obra Partida apresenta uma longa tela que sugere o desenrolar em camadas de curvim, durepoxi, espuma e óleo. Nela, há a alusão a fragmentos ensanguentados de um corpo sobre uma superfície com a aparência de azulejos brancos. Assim como a primeira obra, é evidente o interesse de Varejão em investigar a relação entre carne e o espaço arquitetônico.  

Adriana Varejão iniciou sua produção artística no final da década de 1980, sendo a pintura uma das principais linguagens utilizadas em seus trabalhos. Entre os títulos recebidos pela artista, estão o Prêmio Mario Pedrosa da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) em 2013; Grande Prêmio da Crítica, na categoria Artes Visuais, da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), pela exposição Histórias às margens, em 2012; Ordem do Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura do Brasil, em 2011; e Medalha de Chevalier des Arts et Lettres do governo francês, em 2008.

Textos escritos pelas equipes de educação e curadoria.

Two pieces by Adriana Varejão have been reassembled for Composition for insurgent times (Composições para tempos insurgentes): Ruína Brasilis and Departure (Partida). The first one is part of the Charques series, which gathers mostly tridimensional works reclaiming architecture and body, mediated through the poetics of the ruin. Charques is the plural word for a kind of salty and dehydrated meat, popularly known as carne-seca (jerked meat). In Ruína Brasili a wounded column reveals insides of jerked meat made out of wood, accompanied by Portuguese tiles in yellow, blue, white and green, the colours of the Brazilian flag.

Departure depicts a long canvas which suggests the development in layers of courvin, durepox, foam and oil. In it there is the allusion to bloody fragments of a body on a surface of white tiles. Like in the first work Varejão’s interest in investigating the relation between flesh and the architectonic space is evident.

Adriana Varejão began her artistic production by the end of the 1980 ‘s, using painting as the main language of her works. Among the awards she has received are the Prêmio Mario Pedrosa da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) in 2013; Grande Prêmio da Crítica, in the category of Visual Arts, by the Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), for the show Histórias às margens, in 2012; the Order of Cultural Merit by the Brazilian Ministry of Culture, in 2011; and the Medal of Chevalier des Arts et Lettres by the French government, in 2008.

Texts written by the educational and curatorial teams.

Obras
Partida (1996) 
óleo, resina epóxi, couro sintético e espuma sobre tela 
Coleção Gilberto Chateaubriand MAM Rio

Ruína Brasilis (2021) 
óleo sobre tela, poliuretano e alumínio
Coleção da artista



Acessibilidade | Fale conosco | Imprensa | Mapa do Site