Fayga Ostrower: formações do avesso

20 mar – 25 jul 2021

Curadoria conjunta da equipe curatorial do MAM Rio, formada por Beatriz Lemos, Keyna Eleison e Pablo Lafuente, e da equipe de Educação e Participação, com Daniel Bruno, Gilson Plano e Shion Lucas

Fotografia: Fabio Souza/MAM Rio


A exposição integra as comemorações do centenário do nascimento da artista e traz uma perspectiva da reconhecida gravadora, apresentada também como importante educadora e crítica de arte. A mostra apresenta um panorama de sua obra, reunindo cerca de 80 trabalhos em diálogo com seu pensamento sobre arte e sua prática em educação, desenvolvida durante anos no MAM Rio.

As obras selecionadas fazem parte do acervo do MAM Rio e da Coleção Gilberto Chateubriand, em comodato de longa duração no museu, e incluem trabalhos recentemente doados ao museu pelo Instituto Fayga Ostrower. Juntas, as obras compreendem um panorama de sua produção em gravura e tecido, pertencentes a diferentes períodos de sua trajetória e que possibilitam um estudo apurado sobre o abstracionismo informal na arte brasileira e o uso das cores na técnica da gravura.

O pensamento educacional da artista será mostrado com trechos de seus textos, livros e arquivo documental. Desta forma, trazemos ao debate as relações entre a prática em educação e a criação artística na vida de umas das figuras importantes para a história do MAM Rio, do Bloco Escola e da cena de arte do Rio de Janeiro e do Brasil.

Texto curatorial

Entre a forma e o sensível, Fayga Ostrower habitava constantemente as divisas, trazendo para si a potência libertária de se permitir a contradição. A artista defendia a estrutura, o rigor e o método na mesma intensidade em que afirmava uma proposta democrática e intuitiva sobre o aprender com as artes, com atenção aos acasos e contrastes do mundo. 
Neste lugar onde universos díspares se esbarram, se fundam e se complementam, Fayga construiu uma longa história protagonizada pela arte e pela educação. Ao comemorar o centenário de nascimento da artista, o MAM Rio parte destes dois pilares, firmando seu importante papel como educadora, teórica e crítica de arte.
Fayga Ostrower: formações do avesso apresenta um panorama de sua produção em diferentes técnicas e períodos, que possibilitam uma reflexão sobre o abstracionismo informal e o uso das cores na técnica da gravura. Em consonância, o pensamento pedagógico da artista, presente no espaço por meio de trechos de seus ensaios e livros, preenche o ambiente com cores e palavras.
A exposição é também uma celebração da recente doação de 69 obras ao MAM Rio pelo Instituto Fayga Ostrower, e coincide com o reinício das atividades do Bloco Escola, do qual Fayga foi uma figura-chave.

Fotografia MAM Rio Fábio Souza

Painel Itamaraty, 1968. Xilogravura. Coleção MAM Rio. Fotografia MAM Rio Fábio Souza

2105, 2001. Serigrafia sobre papel, 45,2 x 30,8 cm / 51 x 36,6 cm. Coleção Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Doação Noni Ostrower e Carl Robert Ostrower.

7001, 1970. xilogravura, 62 x 41 cm / 70 x 47 cm. Gilberto Chateaubriand MAM Rio.

7002, 1970. xilogravura, 62 x 41 cm / 72,5 x 51 cm. Gilberto Chateaubriand MAM Rio. Gilberto Chateaubriand MAM Rio.

7113, 1971. xilogravura, 54 x 72 cm / 62 x 81 cm. Gilberto Chateaubriand MAM Rio.

6614, 1966. xilogravura, 41,2 x 57,5 cm / 50,7 x 67,7 cm. Coleção MAM Rio. Doação da artista.

Biografia da artista

Nascida em Lodz, Polônia, em 1920, Fayga Ostrower emigrou para o Brasil em 1934. Estudou artes gráficas na FGV, foi bolsista da Fullbright em Nova York e recebeu numerosos prêmios, inclusive das bienais de São Paulo e de Veneza. Fayga experimentou quase todas as mídias gráficas, incluindo a estamparia. Foi professora no MAM Rio, entre 1953 e 1969; no Spellman College, em Atlanta, nos EUA; na Slade School da Universidade de Londres; em cursos de pós-graduação em várias universidades brasileiras; e lecionou para operários e em centros comunitários. Fayga foi também uma importante pensadora do abstracionismo informal brasileiro e autora de ensaios e  livros. A artista faleceu no Rio de Janeiro em 2001. Obras suas integram coleções de museus no Brasil e no exterior.

Lei de Incentivo à Cultura
Parceiro Estratégico: Instituto Cultural Vale
Patrocinador Master: Grupo Petragold, Petrobras, Ternium
Realização: Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo – Governo Federal



Acessibilidade | Fale conosco | Imprensa | Mapa do Site